— ler mais..

Foi no Porto, curiosamente através de um médico ligado ao FC Porto, o popular “dr. Zito”, que se criou uma nova figura do Código Penal, “a tentativa de homicídio por meio audiovis..." /> — ler mais..

Foi no Porto, curiosamente através de um médico ligado ao FC Porto, o popular “dr. Zito”, que se criou uma nova figura do Código Penal, “a tentativa de homicídio por meio audiovis..." /> Semanada - Record
29 Novembro, 2011

Agressão por meio audiovisual

Foi no Porto, curiosamente através de um médico ligado ao FC Porto, o popular “dr. Zito”, que se criou uma nova figura do Código Penal, “a tentativa de homicídio por meio audiovisual.” No auge do “caso Paula”, a SIC fez uma emissão memorável, que acabou com o antigo selecionador nacional, António Oliveira, no hospital, em choque com as peripécias que metiam prostitutas ali divulgadas. Apareceu então José Carlos Esteves a dizer que a televisão de Carnaxide tentara assassinar Oliveira.

Agora, foi outra vez no Porto que se criou nova figura penal, mais leve, a “agressão por meio audiovisual.” Expliquemos.

O jornalista da TVI, Valdemar Duarte, foi insultado e agredido no Estádio do Dragão, depois de ter narrado o FC Porto-Sp. Braga. Lamentável, primária, cobarde, a atitude dos capangas encartados.

Mais tarde, Guilherme Aguiar explicou que tal arraial de porrada se deveu ao facto de Valdemar Duarte ter passado o jogo “a agredir” o FC Porto. Portanto… se a parvoíce valesse o Nobel teria no Porto dois distintos premiados: José Carlos Esteves e Guilherme Aguiar “themselves”.

702 visualizações
22 Novembro, 2011

Uma dupla pelo fairplay

794 visualizações
18 Novembro, 2011

No tempo da bola quadrada

 

No início dos anos 90 do século passado, as futeboladas sucediam-se, já que o ritmo do quadrissemanário Record permitia uns horários mais liberais e o físico aguentava. Ali no campo da Verbena, junto ao Castelo de S. Jorge, este lote de craques deu desgaste aos sapatos e repôs os níveis em mais uma almoçarada num daqueles restaurantes com vista para o Tejo.

Em baixo: João Cartaxana, Gomes Ferreira, Paulo Renato Soares, João Marcelino, Rogério Teixeira e Pedro Costa (um dos bons Homens que já partiu); em cima, Fernando Dias (o nosso team manager), Luís Óscar, António Varela, Ricardo Tavares, Carlos Louseiro, Fernando Ferreira, Pedro Almeida e Paulo Costa.

Para finalizar, “comme il faut”: bons tempos!

745 visualizações
15 Novembro, 2011

Agora uma fora do bombo

O grupo de trabalho contratado pelo ministro Miguel Relvas para fazer um relatório sobre o serviço público de televisão chegou a algumas conclusões muito discutíveis, mas há uma verdadeiramente arrepiante. A informação no serviço público deve limitar-se ao mínimo indispensável, sem recurso a comentadores, etc, etc., para evitar manipulações.

Subitamente, esta visão que o “grupo de trabalho” tem do Mundo e dos carneiros que veem televisão sugere-me a reincarnação de Staline no economista João Duque.

Enfim, é o relatório a que temos direito, pois mais não pagámos por ele (para que não fique dúvidas, fomos mesmo nós, os carneiros, a pagá-lo).

715 visualizações
8 Novembro, 2011

Falta inquérito em Braga

A primeira parte do Sp. Braga-Benfica durou 82 minutos, depois de três paragens provocadas pela quebra de energia elétrica. No fim da partida não havia gás e os jogadores foram impedidos de tomar banho.
Depois de muitas vozes e grandes dúvidas sobre as origens dos problemas que destruíram o jogo das duas equipas, o presidente da Liga, Fernando Gomes, esclareceu o Portugal futebolístico: o líder do Sp. Braga, António Salvador, disse a Luís Filipe Vieira que a deficiência esteve “nas caldeiras.”

Pode ser até uma boa explicação, convincente, sincera, capaz de deixar o presidente do Benfica satisfeito, mas devia suscitar uma inquietação imediata na Liga de Clubes, a ponto do seu presidente sugerir prontamente a abertura de um inquérito que esclarecesse estes azares de Braga.

Sabe-se como tudo no futebol português costuma ser “esclarecido” nos corredores frequentados pelos presidentes, só que desta vez é diferente, houve adeptos a pagar bilhetes de 65 euros e estes não se satisfazem com “conversinhas”, querem a verdade

561 visualizações
3 Novembro, 2011

Jag är Zlatan Ibrahimovic

Se fosse editor quereria muito comprar os direitos da autobiografia que o craque sueco se prepara para lançar com o título “Jag är Zlatan Ibrahimovic”, que é como quem diz, em português, “Eu sou Zlatan Ibrahimovic”.

Ibra, que ganha títulos por onde quer que passe, é a primeira grande voz a estilhaçar o unanimismo formado à volta de Pep Guardiola, o campeoníssimo treinador do Barcelona, mas também estende a severidade das suas críticas aos principais pilares do Barça, Messi, Xavi e Iniesta.

Ultrapassado na construção da equipa titular dos culés, Zlatan acaba por fazer nesta obra uma certa declaração de impotência perante a liderança de Guardiola. 

Em contramão ao sentido em que corre a multidão “Jag är Zlatan Ibrahimovic” está condenado a ser um sucesso de vendas. Pena não ser eu o editor.

539 visualizações