— ler mais..

De jornada para jornada sucedem-se os erros, alguns até grosseiros, de arbitragem com prejuízo manifesto para as equipas de menores dimensões. Os presidentes protestam mas as suas vozes não chegam..." /> — ler mais..

De jornada para jornada sucedem-se os erros, alguns até grosseiros, de arbitragem com prejuízo manifesto para as equipas de menores dimensões. Os presidentes protestam mas as suas vozes não chegam..." /> É sempre para os mesmos - Bola na Área - Record

Bola na Área

Voltar ao blog

É sempre para os mesmos

1 Novembro, 2011 753 visualizações

De jornada para jornada sucedem-se os erros, alguns até grosseiros, de arbitragem com prejuízo manifesto para as equipas de menores dimensões. Os presidentes protestam mas as suas vozes não chegam sequer às primeiras páginas dos jornais ou aos programas televisivos dominados por paineleiros conotados apenas com os clubes grandes (curiosamente, o único canal que tinha paineleiros para além desta órbita era o agora FCPorto Canal…).

Um dos problemas mais graves é o que se refere à análise das bolas na mão ou da mão na bola. Há muitos anos que os nossos árbitros vêm a sofrer uma lavagem cerebral por parte dos responsáveis no sentido de considerarem qualquern toque da bola na mão ou no braço como motivo para grande penalidade, reflexo condicionado que lá fora tem custado alguns dissabores aos nossos internacionais…

Esta questão, ao contrário do que parece, é muito fácil de analisar com base no movimento ostensivo de jogar a bola com a mão ou o braço, deixando tudo o resto de fora e sobretudo o critério da intenção.

A verdade é que os clubes de média e pequena dimensão continuam a ser prejudicados pelas arbitragens. São alvos fáceis. Os outros clubes estão protegidos pelos seus guardiões do templo e por todo um sistema que continua a acreditar que o futuro do futebol depende apenas das grandes marcas futebolísticas, deixando os outros a correr atrás das migalhas em forma de jogadores emprestados, convites para viagens, palmadinhas nas costas e promessas de permanência num escalão onde no fundo não cabem todos mas alguns de certeza que sim.

 Os nossos clubes ditos pequenos continuam sem perceber que nada têm a ganhar com essas alianças com os grandes, espetadores e autores deste espectáculo.

O único pequeno que ousou furar o esquema teve o destino que todos conhecem e hoje está a jogar na II Divisão e falido.

Comentários