— ler mais..

“Aqui escreve-se em português. De Portugal, onde ele, o português, de facto nasceu. Não há, por isso, genuflexões ao “novo” acordo ortográfico. Mas haverá factos. E opinião. Sem c..." /> — ler mais..

“Aqui escreve-se em português. De Portugal, onde ele, o português, de facto nasceu. Não há, por isso, genuflexões ao “novo” acordo ortográfico. Mas haverá factos. E opinião. Sem c..." /> Variação Contínua - Record

Variação Contínua

Voltar ao blog

Sobre este blog

18 Julho, 2017 674 visualizações

“Aqui escreve-se em português. De Portugal, onde ele, o português, de facto nasceu. Não há, por isso, genuflexões ao “novo” acordo ortográfico. Mas haverá factos. E opinião. Sem complacência. Esperem também coisas ligeiramente idiotas e outras manifestamente patetas. Os temas? “The world is my oyster”.

 

 

Na primeira metade dos idos 80, o arremedo de carreira de DJ no Algarve excedeu todas as expectativas. Haverá melhor trabalho nas férias grandes e… pequenas? Depois foi a rádio, ao vivo e a cores, nas fantásticas emissões do Estúdio Móvel do Espaço 3P em qualquer praça de Lisboa e arredores. Na Faculdade de Letras da Universidade Clássica, entre outras utilidades, leu e discutiu a “fancy” de origem alucinogénea dos românticos ingleses do século 19. Foi no primeiro curso de formação profissional de jornalistas promovido pela TSF (maio a dezembro de 1987) que ouviu a dr.ª Luísa Homénio, linguista com especialização em expressão oral, dizer: “Você não tem voz de FM”. Natural, para quem nasceu em Grândola Vila Morena, em 1962, e é algarvio com sotaque desde esse mesmo ano por adopção da cidade de Lagoa. As passagens pelo departamento de desporto da TSF no ano de estreia; RádioGest; “Jornal do Comércio”; semanário de espectáculos “Êxito” e, imagine-se, pouco mais de um mês em “O Jogo”, foram etapas num caminho profissional que mantém o mesmo rumo desde fevereiro de 1987, quando entrou no jornal Record: jornalista em permanente inquietação