— ler mais..

É uma verificação empírica que faço mas fico com a sensação que a generalidade dos portugueses GOZA quando José Mourinho perde. Acontece poucas vezes, é verdade. Esta nação derrotada, entregue nos..." /> — ler mais..

É uma verificação empírica que faço mas fico com a sensação que a generalidade dos portugueses GOZA quando José Mourinho perde. Acontece poucas vezes, é verdade. Esta nação derrotada, entregue nos..." /> Dá gozo ver Mourinho perder… - Bola na Área - Record

Bola na Área

Voltar ao blog

Dá gozo ver Mourinho perder…

3 Abril, 2011 1010 visualizações

É uma verificação empírica que faço mas fico com a sensação que a generalidade dos portugueses GOZA quando José Mourinho perde.

Acontece poucas vezes, é verdade.

Esta nação derrotada, entregue nos braços de políticos de pacotilha, dependente da têta cada vez mais seca do Estado, maldizente, cada vez mais afastada da sua peculiar vernaculidade, entretida em pífios jogos de poder em bafientos gabinetes, desesperada por amor não classificado, à rasca com a sua juventude, incapaz de celebrar a vida, parece sentir um especial prazer sempre que o “Especial” tem um dissabor.

Como aconteceu sábado, no Bernabéu, depois daquele abraço a Ronaldo, a matriz.

Há quase dez anos que Mourinho não perdia um jogo em casa.

Um dia ia acontecer.

Aconteceu e a alegria desceu à Terra. Não estou a falar da alegria de Valdano ou dos adeptos do Barcelona. Estou a falar da alegria dos portugueses que invejam o sucesso de Mourinho, a fortuna de Mourinho, o descaramento de Mourinho, a sua originalidade e o seu espírito completamente renascentista.

Mourinho é um daqueles portugueses que nos fazem perceber o milagre dos Descobrimentos. O milagre daquele instante fugaz em que Portugal assumiu a vanguarda do Mundo.

Durou pouco, embora mais de dez anos, mas não muito mais, e os 400 anos de História que se sucederam é apenas a repetição de um filme negro. O filme de um Portugal deprimido, iconoclasta, pobre, azedo e feliz quando verifica que a excepção iguala a regra.

O excepcional José Mourinho, porém, lá seguirá o seu caminho independentemente da horda de bárbaros que por sorte nasceu no seu país.

Ontem perdeu, amanhã vai ganhar.

E aí vamos todos repetir com orgulho “é um dos nossos”.