Bola na Área

V. Guimarães: uns criam, outros transformam

2 Junho, 2012 0

Pimenta Machado diz hoje no Record que não se revê com uma gestão que em vez de criar hipoteca.

Compreendem-se as dores do homem que durante 24 anos liderou o enorme V. Guimarães e que quando saiu do clube deixou um património assinalável: um centro de treinos pago e um estádio remodelado e do clube. Também deixou um passivo de 8 milhões de euros mas esse passivo no espaço de sete anos cresceu para números que já se aproximam dos 30 milhões de euros.

Desde que saiu, o tipo de gestão do Vitória foi essencialmente uma gestão “anti-Pimenta Machado”. Entende-se. O peso do passado era enorme.

Mas os resultados foram pífios.

O clube, tirando aquela época em que foi 3.º por obra e graça do mago Cajuda, perdeu estatuto e hoje vê-se obrigado a continuar a hipotecar o seu património e a viver de adiantamentos que mais tarde vão fazer falta.

Emílio Macedo deixou o clube numa situação muito complicada. À borda do abismo. A nova direção tem uma missão difícil e vai ser obrigado a apostar na prata da casa.

Pimenta Machado, esse, permanece como figura tutelar. Agora que passa mais tempo na cidade de Guimarães, onde em Julho vai inaugurar um hotel de charme, o presidente que fez do Vitória um clube temido e apetecível vai estar mais perto e mais atento à vida do clube.

 

Vitória de Guimarães: quo vadis?

1 Fevereiro, 2012 0

O V. Guimarães é um caso especial do nosso desporto e em particular do nosso futebol.

É um clube com uma grande massa de adeptos e que ao longo da sua história cresceu em intensidade e importância.

Durante 24 anos, o Vitória foi dirigido por Pimenta Machado. Um presidente-monarca que era uma voz singular no futebol português, surgindo muitas vezes na condição de outsider.

Mas em Guimarães Pimenta sempre teve quem não gostasse do seu estilo de gestão.

Pimenta Machado saiu do Vitória e o que aconteceu? A equipa desceu de divisão e hoje não consegue sequer apanhar a sombra do rival minhoto.

O clube está em ebulição. Não há dinheiro!

Emílio Macedo prometeu 10 milhões das arábias mas o prometido investidor roeu a corda e os milhões da transferência de Bebé para o Manchester United já se esfumaram.

O grande clube vitoriano, em ano de Guimarães capital europeia da cultura, corre o risco, agora, de terminar nas mãos de mais um saloio qualquer.

Enquanto isso, tanto quanto sei, o tal monarca pondera o regresso mas dificilmente voltará se quem está de saída não for responsabilizado pela situação criada.

Entretanto, os ânimos exaltam-se na bela cidade-berço e o pior pode acontecer.

Não foi por falta de aviso.

COMENTÁRIO EM DESTAQUE

1fckoln disse em 01-02-2012 às 22h09

eugénio eu vejo tudo de longe

o problema não estará tambem nas claques que tomaram de assalto os clubes em portugal,e que na realidade (para mim)são o verdadeiro poder dentro dos clubes.

elegem e destituem presidentes com a maior das facilidades

e depois de eleitos tem de se submeter aos desejos das claques,epresidentes que usam as claques para tudo e mais alguma coisa.