Lado B

A noite em que Talisca gelou a Luz

23 Setembro, 2016 0

TEXTO PUBLICADO EM RECORD PREMIUM A NA VERSÃO IMPRESSA A 14 DE SETEMBRO DE 2016

Tudo parecia conjugar-se para uma estreia vitoriosa na Champions quando Celis fez a falta escusada. Poucos terão sido os adeptos que não se lembraram do golo apontado por Talisca ao Bayern Munique. Infelizmente para as contas da Luz – e as portuguesas na UEFA – o brasileiro repetiu a gracinha. Um golo soberbo, o único remate que Ederson não foi capaz de travar.
Os festejos que se seguiram magoaram, compreensivelmente, antigos companheiros no relvado e adeptos nas bancadas e em casa. Demasiado cedo para tanta festa de um jogador que está emprestado, ainda que por dois anos. A explicação Talisca deu-a mais tarde. Vieira e Gomes da Silva os destinatários.

— ler mais

Um pesadelo tão imerecido

1 Maio, 2016 0

Um verdadeiro pesadelo, eis no que se tornou a viagem do Sp. Braga à Ucrânia, nomeadamente para o jovem Ricardo Ferreira, que acabou por marcar dois infelizes autogolos. Os guerreiros não deixaram de ser uma equipa bem treinada e de méritos, mas o Shakthar foi demasiado forte. E a formação portuguesa parece começar a acusar a época longa que leva nas pernas.

Apesar de ter um plantel equilibrado, a verdade é que o Sp. Braga leva já muito jogo nas pernas e foram muitas as frentes em que se conseguiu manter até o momento. Foi pena terminar esta aventura com uma goleada na Ucrânia. Mas que isso não retire discernimento às gentes bracarenses. Com o que lhe foi colocado à disposição, Paulo Fonseca já está de parabéns. Assim como os jogadores. Dão tudo o que têm.

 
No Benfica percebe-se que a eliminação frente ao Bayern Munique não deixou marcas. Uma saída honrosa para uma Liga dos Campeões que deu para ganhar muito dinheiro e colocar na montra o produto, a política há muito seguida na Luz.

Fica por saber se Gaitán e Mitroglou não podiam defrontar os alemães ou se o técnico do Benfica preferiu jogar pelo seguro e mantê-los frescos para a liga. Mesmo que o tenha feito, diga-se, entende-se perfeitamente. Mesmo com os melhores o Bayern continuava a ser superior. Mais vale um pássaro na mão do que dois a voar, já dizia o outro. E se há coisa que define Rui Vitória é o pragmatismo. Uma das características que o afastam de Jesus, mesmo que o discurso nem sempre esteja de acordo com a realidade.

Vitória e Guardiola foram de uma enorme gentileza. Soube bem ver as conferências de imprensa. Só não gostei de ouvir Vitória a falar do regresso às grandes noites europeias. JJ esteve em duas finais europeias e uma meia-final. Apagar o passado é tão feio.

Texto publicado a 15 de abril de 2016 em Record Premium e na versão impressa

Benfica esteve muito perto do sonho

14 Abril, 2016 2

O Benfica merecia mais. Mais do jogo, mais do árbitro, mais sorte no confronto da 2.ª mão na Luz. A equipa de Rui Vitória podia e devia ter saído de Munique com um empate, o que lhe abriria melhores perspetivas de chegar às meias-finais da Champions, algo que parecia impossível antes do jogo na Allianz Arena mas está provado não ser missão para Tom Cruise.

— ler mais