Posso dizer que o Camolas era o meu cromo preferido da bola. Reencontrei-o hoje no Facebook do Joaquim Charouco – o melhor marcador de sempre da equipa de reservas do Benfica, à direita na foto – e fui atacado pela nostalgia.

Pelo que julgo saber, o Camolas que iluminava a minha caderneta de cromos vive em Pinhal Novo e continua a ser recordado pelos amigos da bola.

Já agora, deixo aqui um desafio à clientela para que recordem momentos da carreira deste médio que também vestiu a camisola do Belenenses.

Porque recordar também é viver.

COMENTÁRIO EM DESTAQUE

julio moreira disse em 28-02-2012 às 15h25

EQ

Obrigado pela lembrança e aí vai uma historia pessoal relacionada com o Grande Camolas.

Eu fiz atletismo no Benfica, cuja pista ficava situada nas traseiras do Estádio do Sporting.

Ao lado o Benfica tinha um campo pelado, a chamada estancia de madeira, onde jogavam, ao sábado, as reservas.

Quando lá havia jogos era certo e sabido que eu me baldava ao treino para observar in loco Josè Torres e Camolas, que eram uma autentica máquina de fazer golos.

Porque eu gostava mesmo era de futebol.

Para que os mais novos saibam, Camolas foi um grande jogador e goleador de primeira água.

Não vingou no Benfica porque havia Josè Águas e depois o Torres, não esquecendo o Eusébio.

Camolas era um avançado ao jeito de Saviola.

Obrigado por este momento de regresso á minha adolescencia.